A influência da genealogia acadêmica na colaboração científica: um estudo no campo da Matemática no Brasil

Carla Mara Hilário, Rafael Gutierres Castanha, Maria Cláudia Cabrini Grácio

Resumen


A colaboração científica muitas vezes é resultante da relação de genealogia acadêmica (orientador-orientando) entre os coautores, decorrente de orientações de pós-graduação, materializadas sob a forma de publicações em coautoria. Pensando nisso, o trabalho objetiva identificar as relações genealógicas dos investigadores bolsistas de produtividade em pesquisa do CNPq, nível 1 (PQ1), da área da Matemática com seus coautores docentes a fim de identificar a influência científica deste grupo sob seus pares. Objetiva também mapear a rede de coautorias da produção destes pesquisadores com a identificação das relações genealógicas com investigadores já inseridos na ciência. Para tanto, foi solicitado que os bolsistas PQ1 da Matemática indicassem quem são seus principais coautores e foram analisadas suas produções científicas no período de 2010 a 2012 quanto à presença das relações genealógicas, visualizada em rede de coautorias. Também foi construído um quadro com informações genealógicas de primeiro e segundo grau. Identifica que as primeiras relações genealógicas ocorreram a partir de 1986 e os docentes orientados continuam trabalhando com seus orientadores, mas na condição de pares científicos. Considera que foi possível visualizar a inserção de investigadores na ciência e evidenciar a e continuidade do conhecimento transmitido durante a formação enquanto pós-graduandos

Palabras clave


Colaboração Científica, Cooperação científica, Orientação acadêmica, Genealogia, Matemática.

Texto completo:

PDF

Referencias


Abramo, G.; D'angelo, C. D & Rosati, F. The importance of accounting for the number of co-authors and their order when assessing research performance at the individual level in the life sciences. Journal of Informetrics, 7 (1), 198-208.

Almeida, C. C. de. (2005). Campo da Ciência da Informação: suas representações no discurso coletivo dos pesquisadores do campo no Brasil. 2005, 395 p. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/102010/212813.

Andraos, S. J. (2005). Scientific genealogies of physical and mechanistic organic chemists. Canadian Journal of Chemistry, 83 (9), 1400–1414.

Balancieri, R. et al. (2005). A análise de redes de colaboração científica sob as novas tecnologias da informação e comunicação: um estudo na Plataforma Lattes. Ciência da Informação, 34 (1), 64-77.

Castanha, R. C. G. (2014). Indicadores de Avaliação de Programas de pós-graduação no Brasil: uma Análise Multivariada na área de Matemática. 2014. 126 f. Versão preliminar da dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília.

Castanha, R. C. G. & Grácio, M. C. C. (2015). Estudos de genealogia acadêmica como abordagem para análise de domínio. En: José Augusto Chaves Guimarães & Vera Dodebei (Eds.), Organização do conhecimento e diversidade cultural. Sociedade Brasileira de Organização do Conhecimento (ISKO-Brasil). Chap., p.108–116.

Girves, J. & Wemmerus, V. (1988). Developing models of graduate student degree progress. Journal of Higher Education, 59 (2), 163–189.

Guimarães, J. A. C.; Grácio, M. C. C. & Matos, D. F. O. (2014). Produção científica de bolsistas pesquisa em Ciência da Informação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) - um estudo com artigos de periódicos. Revista de Informação, 15 (2). http://www.dgz.org.br/abr14/F_I_aut.htm

Mena-Chalco, J. P. (2015). A genealogia acadêmica do Prof. Etelvino José Henrique Bechara.

Miyahara E. K. (2011) Genealogia Acadêmica Lattes. Monografia (Bacharelado em Ciência da Computação) – Universidade de São Paulo, Instituto de Matemática e Estatística.

Price, D. J. S. (1976). O desenvolvimento da ciência. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos.

Ramos, Milena Yumi, & Velho, Lea. (2013). Formação de doutores no Brasil: o esgotamento do modelo vigente frente aos desafios colocados pela emergência do sistema global de ciência. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), 18(1), 219-246. https://dx.doi.org/10.1590/S1414-40772013000100012

Rossi, L.; Mena-Chalco, J. (2014). Caracterização de árvores de genealogia acadêmica por meio de métricas em grafos. Brazilian Workshop on Social Network Analysis and Mining, Brasília - Brazil, p.1–12. Obtained from

http://www.each.usp.br/digiampietri/BraSNAM/2014/p02.pdf

Subramanyam, K. (1983). Bibliometric studies of research collaboration: a review. Journal of Information Science, Brighton, v. 6, n. 1, p. 33-38, 1983.

Sugimoto, C. R. (2014). Academic Genealogy. En: Cronin, B. & Sugimoto C.R. (Eds.). Beyond bibliometrics: harnessing multidimensional indicators at scholarly impact.

Yang, S.; Wolfram, D. & Wang, F. (2017) The relationship between the author byline and contribution lists: a comparison of three general medical journals. Scientometrics, 111 (3), 1273-1296.




DOI: http://dx.doi.org/10.21500/22563202.3053