Usos e significados de “self” e “identidade” em Mind, Self and Society

José Umbelino Gonçalves Neto, Aluísio Ferreira de Lima

Resumen


O presente artigo apresenta uma análise dos conceitos de “self” e “identidade”, identificando seus usos, significados no clássico Mind, Self and Society (1934), do psicólogo social George Herbert Mead. O método utilizado tomou como base a apropriação do pensamento de Ludwig Wittgenstein sobre a linguagem, como as palavras ganham seus significados e como lidar com problemas conceituais. Assim, foi realizado um levantamento sistemático de todos os casos em que Mead empregou os referidos conceitos no livro, seguido de uma descrição desses conceitos e de sua rede conceitual. A análise permitiu elucidar sinonímias, confusões e sobreposições de sentido entre “self” e “identidade” no texto do autor, além de esclarecer as relações desses conceitos com outros da teoria de Mead. A relevância dessa análise está na possibilidade de sanar ou prevenir confusões conceituais no uso desses conceitos em outras teorias influenciadas por Mead.

Palabras clave


George Herbert Mead, self, identidade, análise conceitual, psicologia social.

Texto completo:

PDF

Referencias


Álvaro, J. L. & Garrido, A. (2006). Psicologia social: perspectivas psicológicas e sociológicas. São Paulo: McGraw-Hill.

Bazilli, C. et al. (1998). Interacionismo simbólico e teoria dos papéis. São Paulo: Educ.

Chen, S., Boucher, H. C., & Tapias, M. P. (2006). The relational self revealed: integrative conceptualization and implications for interpersonal life. Psychological Bulletin, 132(2), 151-179.

Ciampa, A. C. (1977). A identidade social e suas relações com a ideologia (Dissertação de mestrado não publicada). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Cooley, C. H. (1922). The Social Self - 1. The Meaning of 'I'. In C. H. Cooley, Human Nature and the Social Order (pp. 168-210). New York: Charles Scribner's Sons. Retirado de http://www.brocku.ca/MeadProject/Cooley/Cooley_1902/Cooley_1902f.html

Deschamps, J.-C. & Moliner, P. (2008/2009). A identidade em Psicologia Social: dos processos identitários às representações sociais. Petrópolis, RJ: Vozes.

Eco, U. (2001). Interpretação e superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes.

Farr, R. (1996). As raízes da psicologia social moderna (1872-1954). Rio de Janeiro: Vozes.

Ferreira, R. M. (1999). O modelo do Eu produzido socialmente em G. H. Mead. Psique, 9(15), 75-90.

Goffman, E. (1963/1988). Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: LTC.

Íñiguez-Rueda, L. (2001). Identidad: de lo personal a lo social. Un recorrido conceptual. In E. Crespo (Ed.). La constitución social de la subjetividad (pp. 209-225). Madrid: Catarata.

Rev. Guillermo de Ockham 15(1), 2017 Articulo IN PRESS

James, W. (1890). Chapter X - The Consciousness of Self. In W. James. The Principles of Psychology (online, pp. 292-402). Recuperado de: http://psychclassics.yorku.ca/James/Principles/prin10.htm

Lima, A. F. (2010). Metamorfose, anamorfose e reconhecimento perverso: a identidade na perspectiva da Psicologia Social Crítica. São Paulo: FAPESP; EDUC.

Mead, G. H. (1912). The mechanism of Social Consciousness. Journal of Philosophy, and Scientific Methods, 9(15), 401-406. Retirado de https://brocku.ca/MeadProject/Mead/pubs/Mead_1912a.html

Mead, G. H. (1934). Mind, Self, and society (Edited and introduction by Charles W. Morris). Chicago: The University of Chicago Press.

Mead, G. H. (1934/2010). Mente, Self e sociedade (M. S. Mourão, trad.). Aparecida, SP: Ideias & Letras.

Sass, O. (2004). Crítica da razão solitária: a psicologia social segundo George Herbert Mead. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco.

Souza, M. L. & Gomes, W. B. (2005). Aspectos históricos e contemporâneos na investigação do self. Memorandum, 9, 78-90.

Souza, R. F. (2011). George Herbert Mead: contribuições para a história da Psicologia Social. Psicologia & Sociedade, 23(2), 369-378.

Spaniol, W. (1989). Filosofia e método no segundo Wittgenstein: uma luta contra o enfeitiçamento do nosso entendimento. São Paulo: Loyola.

Wittgenstein, L. (1953/2012). Investigações filosóficas (7ª ed., M. G. Montagnoli, trad.). Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco.

Wittgenstein, L. (1958/1992a). O livro azul (J. Mendes, trad.). Lisboa: Edições 70.

Wittgenstein, L. (1958/1992b). O livro castanho (J. Mendes, trad.). Lisboa: Edições 70.




DOI: http://dx.doi.org/10.21500/22563202.3189