Ressignificação do TEPT a partir da clínica psicodinâmica do trabalho

Ronaldo Gomes Souza, Ana Magnólia Mendes

Resumen


As exigências da gestão neoliberal globalizante atual precarizam as relações de trabalho, diminuem os direitos trabalhistas, negam a cidadania e são fontes de sofrimentos e doenças no trabalho como depressão, burnout, estresse, sobretudo o Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT). O objetivo desse ensaio teórico é apresentar a perspectiva da clínica psicodinâmica do trabalho como possível solução dos trabalhadores ressignificarem o sofrimento patogênico do TEPT. O método da clínica psicodinâmica do trabalho consiste no processo de fala e escuta do sofrimento no trabalho. Para tal, é preciso conhecer o contexto e a organização do trabalho no qual os sujeitos adoecidos estão e criar condições na relação do pesquisador-clínico com os trabalhadores adoecidos para ressignifcarem o sofrimento causado pelo TEPT no trabalho, em diferentes etapas. Conclui-se que, uma vez que se reconhece o potencial sofrimento do TEPT no contexto laboral, a Psicologia do Trabalho precisa desenvolver novas alternativas éticas e políticas de intervenção que crie condições para os trabalhadores adoecidos vivenciarem situações de prazer e saúde no trabalho, tal é a proposta da clínica psicodinâmica do trabalho. Novos resultados estão em processo de desenvolvimento no Clinical Psychodynamic of Work Lab. at  University of Brasília para fortalecimento dessa perspectiva. 


Palabras clave


ressignificação, TEPT, clínica psicodinâmica do trabalho.

Texto completo:

PDF

Referencias


Alves, G. (2011). Trabalho flexível, vida reduzida e precarização do homem-que-trabalha: perspectivas do capitalismo global no século XXI. In: Vizzaccaro-Amaral, A. L., Mota, D. P. & Alves, G. (Orgs). Trabalho e saúde: a precarização do trabalho e a saúde do trabalhador no século XXI. São Paulo: LTR. Retirado de: http://www.proceedings.scielo.br/pdf/sst/n8/02.pdf

American Psychiatry Association (2013). Diagnostic and Statistical Manual of Mental disorders - DSM-5. 5th.ed. Washington: American Psychiatric Association.

Aquino, C. A. B. (2008). O Processo de precarização laboral e a produção subjetiva: um olhar desde a psicologia social. O Público e o Privado, (Vol. 11), 169-178. Retirado de:http://seer.uece.br/?journal=opublicoeoprivado&page=article&op=view&path[]=140&path[]=211

Araújo, A. C. & Lotufo-Neto, F. (2014). A Nova Classificação Americana Para os Transtornos Mentais – o DSM-5. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 16 (1), 67-82. DOI: ISSN 1982-3541.

Associação Americana de Psiquiatria –APA (2002). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (4ª. Ed.). Porto Alegre: Artmed.

Bendassolli, P. F. & Soboll, L. A. P. (2011). Clínica do trabalho. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 14(1), 59-72.

Berninger, A., Webber, M. P., Cohen, H. W., Gustave, J., Lee, R., Niles, J. K., … Prezant, D. J. (2010). Trends of elevated PTSD risk in firefighters exposed to the World Trade Center disaster: 2001-2005. Public Health Reports, 125, 556-566.

Bucasio, E., Vieira, I., Berger, W., Martins, D., Souza, C., Maia, D., ... Jardim, S. (2005). Transtorno de estresse pós-traumático como acidente de trabalho em um bancário: relato de um caso. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, (Vol. 27), 86-89.

Buodo, G., Ghisi, M., Novara, C., Scozzari, S., Di Natale, A., Sanavio, E., Palomba, D. (2011). Assessment of cognitive functions in individuals with post-traumatic symptoms after work-related accidents. Journal of Anxiety Disorders, (Vol. 25), 64-70. DOI: 10.1016/j.janxdis.2010.08.004.

Câmara-Filho, J. W. S. & Sougey, E. B. (2001). Transtorno de estresse pós-traumático: formulação diagnóstica e questões sobre comorbidade. Revista Brasileira de Psiquiatria, 23(4), 221-228.

Castel, R. (2009). La montée des incertitudes: travail, protections, statut de l’individu. Paris: Seuil.

Dejours, C. (2008). A metodologia em psicopatologia do trabalho. In S. Lancman, L. Sznelwar (Orgs.) Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. (2ªed., PP. 107-128). Rio de Janeiro: Fio-cruz/Brasília: Paralelo 15.

Dejours, C. (2013). A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. (5ª ed. ampliada/15ª reimpressão). São Paulo: Cortez.

Druck, G. (2011). Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios?. Caderno CRH, 24 (1), 155-170. Retirado de: http://www.scielo.br/pdf/ccrh/v24nspe1/a04v24nspe1.pdf

Facas, E. (2013). Protocolo de Avaliação dos Riscos Psicossociais no Trabalho - Contribuições da Psicodinâmica do Trabalho. Tese de doutorado do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília – DF.

Faria, H. X. & Dalbello-Araujo, M. (2011). Precarização do trabalho e processo produtivo do cuidado. Mediações, 16 (1), 142-156.

Fernandes, R. C. P. (2011). Precarização do trabalho e os distúrbios musculoesqueléticos. Caderno CRH, 24 (1), 155-170.

Franco, T., Druck, G. & Seligmann-Silva, E. (2010). As novas relações de trabalho, o desgaste mental do trabalhador e os transtornos mentais no trabalho precarizado. Saúde Ocupacional, 35 (122), 229-248.

Ghizone, L. D. & Mendes, A. M. (2014). Dispositivos para uma escuta clínica do sofrimento no trabalho dos catadores de materiais recicláveis. Contextos Clínicos, 7 (1), 15-26.

Guimarães, J. M. X., Jorge, M. S. B. & Assis, M. M. A. (2011). (In)satisfação com o trabalho em saúde mental: um estudo em Centros de Atenção Psicossocial. Ciência e Saúde Coletiva, 16 (4), 2145-2154.

Heloani, R. & Lancman, S. (2004). Psicodinâmica do trabalho: o método clínico de intervenção e investigação. Produção, 14 (3), 77-86.

Hirata, H. (2011). Tendências recentes da precarização social e do Trabalho: Brasil, França, Japão. Caderno CRH, 24 (1), 15-22.

Hobsbawm, E. J. (1995). A era dos extremos: o breve século XX (1914-1991). 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras.

Jilou, V. (2013). Capitalismo flexível, trabalho precarizado e sofrimento psíquico de professores universitários. Uberaba, 1 (1), 187-201.

Jorge, M. S. B., Guimarães, J. M. X., Nogueira, M. E. F., Moreira, T. M. M. & Morais, A. P. P. (2007). Gestão de recursos humanos nos centros de atenção psicossocial no contexto da política de desprecarização do trabalho no Sistema Único de Saúde. Texto Contexto Enfermagem, 16 (3), 417-425.

Junqueira, T. S., Cotta, R. M. M., Gomes, R. C., Silveira, S. F. R., Siqueira-Batista, R., Pinheiro, T. M. M. et al (2010). As relações laborais no âmbito da municipalização da gestão em saúde e os dilemas da relação expansão/precarização do trabalho no contexto do SUS. Saúde Pública, 26 (5), 918-928.

Knapp, P. & Caminha, R. M. (2003). Terapia cognitiva do transtorno de estresse pós-traumático. Revista Brasileira de Psiquiatria, 25(1), 31-36.

Lancman, S. & Jardim, T. A. (2004). O impacto da organização do trabalho na saúde mental: um estudo em psicodinâmica do trabalho. Terapia Ocupacional-USP, 15 (2), 82-89.

Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991 (1991, 24 de julho). Dispõe sobre os Planos de benefícios da previdência social e dá outras providências. Diário Oficial da União. Retirado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8213cons.htm.

Louzada, R. S. M. L. & Oliveira, P. T. R. (2013). Reflexões sobre a metodologia de pesquisa em psicodinâmica do Trabalho. Revista Núcleo de Estudos Fenomenológicos [online], 5(1), 26-35. DOI: ISSN 2175-2591.

Martins, S. R. & Mendes, A. M. (2012). Espaço coletivo de discussão: a Clínica psicodinâmica do trabalho como ação de resistência. Psicologia: Organizações e Trabalho, 12(2), 171-184.

Medeiros, S. N. (2012). Clínica em psicodinâmica do trabalho com a unidade de operações aéreas do DETRAN: o prazer de voar e a arte de se manter vivo. Dissertação de Mestrado. Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília. Brasília – DF.

Mendes, A. M. & Duarte, F. S. (2013). Notas sobre o percurso teórico da psicodinâmica do trabalho. In L. G. Freitas (Org.). Prazer e sofrimento no trabalho docente. Curitiba: Juruá.

Mendes, A. M.& Araújo, L. K. R. (2011). Clínica psicodinâmica do trabalho : práticas brasileiras. Brasília, DF: Ex Libris.

Mendes, A. M.& Araújo, L. K. R. (2012). Os dispositivos clínicos para escuta qualificada (pp. 39-64). In Clínica psicodinâmica do trabalho : o sujeito em ação. Curitiba: Juruá.

Meshulam-Werebe, D., Andrade, M. G. O. & Delouya, D. (2003). Transtorno de estresse pós-traumático: o enfoque psicanalítico. Revista Brasileira de Psiquiatria, 25(1), 37-40. DOI: ISSN 1809-452X. Retirado de: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462003000500009.

Ministério da Previdência Social (2014). Recuperado em 01 de março de 2015 de http://www.previdencia.gov.br/wp-content/uploads/2015/03/AEPS-2013-v.-26.02.pdf.

Moraes, P. R. S. (2008). Terceirização e precarização do trabalho humano. TST, 74 (4), 148-168.

Moreira, I. J. B. (2014). Prevalência de transtornos mentais comuns em trabalhadores da atenção primária à saúde e sua associação com fatores psicossociais do trabalho. Dissertação de Mestrado em Promoção da Saúde da Universidade de Santa Cruz do Sul – RS.

Ouimette, P., Read, J. P., Wade, M., & Tirone, V. (2010). Modeling associations between posttraumatic stress symptoms and substance use. Addictive Behaviors, (Vol. 35), 64-67. DOI: 10.1016/j.addbeh.2009.08.009.

Saltini, M. R., Vidal, A. G & Oliveira-Sobrinho, A. S. (2014). Políticas públicas de educação e precarização do trabalho em São Paulo: o abandono da profissão docente na Rede Pública Estadual. Trabalho e Educação, 23 (1), 99-117. Retirado de: http://www.portal.fae.ufmg.br/seer/index.php/trabedu/article/view/1395.

Schaefer, L. S., Lobo, B. O. M. & Kristensen, C. H. (2012). Transtorno de estresse pós-traumático decorrente de acidente de trabalho: implicações psicológicas, socioeconômicas e jurídicas. Estudos de Psicologia, 17(2), 329-336.

Soares, G. O. & Lima, M. S. (2003). Transtorno pós-traumático uma abordagem baseada em evidências. Revista Brasileira de Psiquiatria, 25(1), 62-67.

Stenger, E., Monteiro, M. I., Sabino, M. O., Miquilin, I. O. C. & Corrêa-Filho, H. R. (2014). Lean production e riscos psicossociais: o caso de uma fusão multinacional de grupo metalmecânico no Brasil. Saúde Pública, 30 (8), 1765-1776.

Stock, T. O., Barbosa, M. E. & Kristensen, C. H. (2014). Evidências de alterações neurais na terapia cognitivo-comportamental: uma revisão da literatura. Contextos Clínicos, 7 (1), 27-36. Retirado de: http://revistas.unisinos.br/index.php/contextosclinicos/article/view/ctc.2014.71.03.

Takahashi, M. A. B. C., Lacorte, L. E. C., Ceverny, G. C. O. & Vilela, R. A. G. (2012). Precarização do trabalho e risco de acidentes na construção civil: um estudo com base na Análise Coletiva do Trabalho (ACT). Saúde Social, 21 (4), 976-988.

Teixeira, M. C. (2012). A invisibilidade das doenças e acidentes do trabalho na sociedade atual. Rdissan, 13 (1), 102-131. Retirado de: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9044.v13i1p102-131

Vieira-Neto, O. (2004). Transtorno de Estresse Pós-Traumático em bancários vítimas de assalto ou seqüestro. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Psicologia e Fonoaudiologia da Universidade Metodista de São Paulo. São Bernardo do Campo – SP.

World Health Organization. (1998). Enciclopedia de salud y seguridad en el trabajo. Edición española. Ministerio de Trabajo y Asuntos Sociales. Retirado de: http://www.insht.es/InshtWeb/Contenidos/Documentacion/TextosOnline/EnciclopediaOIT/tomo4/sumario.pdf.




DOI: http://dx.doi.org/10.21500/22563202.2424

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2016 Ronaldo Gomes Souza, Ana Magnólia Mendes

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

This work is licensed under CC BY-NC-ND