Autonomia, saúde mental e subjetividade no contexto assistencial brasileiro
PDF

Palabras clave

autonomia
alta institucional
saúde mental
subjetividade
sujeito.

Cómo citar

Magalhães Goulart, D. (2013). Autonomia, saúde mental e subjetividade no contexto assistencial brasileiro. Revista Guillermo De Ockham, 11(1), 21–33. https://doi.org/10.21500/22563202.599

Resumen

Este estudo visa refletir teoricamente sobre formas de cuidado que priorizem o resgate da autonomia por parte de pessoas atendidas em serviços assistenciais de saúde mental no Brasil, enfatizando, sobretudo, o problemático período da alta institucional. Para tanto, faz-se uma apresentação das atuais mudanças no modelo asistencial em saúde no país e discute-se alguns principios que norteiam a Reforma Psiquiátrica brasileira, atentando para a superação de impasses históricos e para as limitações das práticas institucionais, que ainda parecem culminar em frequentes quadros de institucionalização dos usuários. Nessa discussão, o estudo da subjetividade é apresentado como alternativa teórica para compreender como esses complexos e conflitantes processos se atualizam na vivência do sujeito.

https://doi.org/10.21500/22563202.599
PDF

Citas

ALVERGA, Alex Reinecke de; DIMENSTEIN Magda (2006). A reforma psiquiátrica e os desafios na desinstitucionalização da loucura. Interface – Comunicação, Saude, Educação 10(20). pp. 299-316.

AMARANTE, Paulo Duarte de Carvalho (2009). Reforma psiquiátrica e epistemologia. Caderno Brasileiro de Saúde Mental 1(1). pp. 1-7.

BARROS, Denise Dias (1994). Cidadania versus periculosidade social: a desinstitucionalização como desconstrução do saber. In: Paulo Amarante (Organizador). Psiquiatria Social e Reforma Psiquiátrica. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.

BICHAFF, Regina (2006). O trabalho nos centro de atenção psicossocial: uma reflexão crítica das práticas e suas contribuições para a consolidação da Reforma Psiquiátrica. Dissertação (Mestrado em Enfermagem). Escola de Enfermagem, São Paulo: Universidade de São Paulo.

BORTONI-RICARDO, Stella Maria (2008) O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola.

BRASIL (2004a). Saúde Mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde.

BRASIL (2004b). Saúde Brasil 2004: uma análise da situação de saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

BRASIL (2009). O trabalho do agente comunitário de saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

BRASIL (2010). Relatório Final da IV Conferência Nacional de Saúde Mental – Intersetorial, 27 de junho a 1 de julho de 2010. Brasília: Ministério da Saúde.

CAMPOS, Gastão Wagner de Souza (2006) Reflexões Temáticas sobre Equidade e Saúde: o caso do SUS. Saúde e Sociedade 15 (2). pp. 23-33.

CAMPOS, Gastão Wagner de Souza; AMARAL, Maria Aparecida (2007). A clínica ampliada e compartilhada, a gestão democrática e redes de atenção como referenciais teórico-operacionais para a reforma do hospital. Ciência e Saúde Coletiva 12 (4). pp. 849-859.

CANGUILHEM, Georges (2004). Escritos sobre la medicina. Buenos Aires: Amorrortu.

CASTRO, Sueli Aparecida (2009). Caracterização sociodemográfica e clínica das reinternações psiquiátricas no

Hospital Santa Tereza de Ribeirão Preto, no período de 2006 e 2007. Dissertação (Mestrado em Enfermagem). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

COHN, Amélia; NAKAMURA, Eunice; GUTIERRES, Kellen Alves (2009).“De como o PSF entrecruza as dimensões pública e privada da vida social”. In Amélia Cohn (Organizadora). Saúde da família e SUS: convergências e dissonâncias. Rio de Janeiro: Beco do Azougue; São Paulo: CEDEC.

DUTRA, Virgínia Faria Damásio (2011). O cuidado oferecido a pessoas que vivenciaram a experiência da desinstitucionalização. Ciência, Cuidado e Saúde 10 ( 2). pp. 218-225.

FLEISCHER, Soraya; TORNQUIST, Carmen Susana; MEDEIROS, Bartolomeu Figueirôa de (2009). “Popularizando o cuidado com a saúde: uma apresentação”. In: Soraya Fleischer, Carmen Susana Tornquist e Bartolomeu Figueirôa de Medeiros (organizadores). Saber cuidar, saber contar: ensaios de antropologia e saúde popular. Florianópolis: Editora da UDESC.

GERSCHMAN, Silvia; SANTOS, Maria Angélica Borges (2006). O Sistema Único de Saúde como desdobramento das políticas de saúde do século XX. RBCS 21(61). pp. 177-227.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (1997). Epistemología cualitativa y subjetividad. São Paulo: Educ.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2002). Sujeito e subjetividade: uma aproximação histórico-cultural. Tradução de Raquel Souza Guzzo. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003. Título original: Sujeto y subjetividade.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2004a). “O sujeito, a subjetividade e o outro na dialética complexa do desenvolvimento humano”. In: Albertina Mitjáns Martines; Livia Mathias Simão (organizadoras). O outro no desenvolvimento humano: diálogos para a pesquisa e a prática profissional em psicologia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2004b). O Social na Psicologia e a Psicologia Social: a emergência do sujeito. Petrópolis: Vozes.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2004c). Personalidade, saúde e modo de vida. Tradução de Flor Maria VidaurreLenz da Silva. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. Título original: Personalidad, salud y modo de vida.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2005a). O valor heurístico da subjetividade na investigação psicológica. In: Fernando Luís González Rey (organizador). Subjetividade, Complexidade e Pesquisa em Psicologia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2007). Psicoterapia, subjetividade e pós-modernidade: uma aproximação histórico-cultural. Tradução de Gullermo Matias Gamucio. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. Título original: Psicoterapia, subjetividade y postmodernidad.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2008). O sujeito que aprende: desafios no desenvolvimento do tema da aprendizagem na psicología e na prática pedagógica”. In: Maria Carmem V. R. Tacca (organizadora). Aprendizagem e trabalho pedagógico. 2 ed. Campinas: Alínea.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (maio de 2009). La significación de Vygotski para laconsideración de loafectivoenlaeducación: las bases para lacuestión de lasubjetividad. Acesso em: agosto de 2012.: <http://www.latindex.ucr.ac.cr/aie-2009-esp/aie-2009-es-02.pdf>.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2009b). Epistemología y Ontología: un debate necessário para la Psicología hoy. Diversitas 5 (2). pp. 205-224. Acesso em: 19 de agosto 2012: <http://ojs.usta.edu.co/index.php/diversitas/article/viewFile/6/pdf>.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. (2011). Subjetividade e saúde: superando a clínica da patologia. São Paulo: Cortez.

GUERRA, Andréa Máris Campos (2004). Reabilitação psicossocial no campo da reforma psiquiátrica: uma reflexão sobre o controverso conceito e seus possíveis paradigmas. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental 7 (2). pp. 83-96.

LUCCHESE, Roselma; BARROS, Sônia (2009). A constituição de competências na formação e na prática do enfermeiro em saúde mental. Revista da Escola de Enfermagem da USP 43 (1). pp. 152-160.

MITJÁNS MARTINES, Albertina (2005). A Teoria da Subjetividade de González Rey: uma expressão do paradigma da complexidade na psicologia. In: Fernando Luís González Rey. Subjetividade, complexidade e pesquisa em psicologia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

NASCIMENTO, Pedro Francisco Guedes do (2009). Reprodução, Desigualdades e Políticas Públicas de Saúde: Uma etnografia da construção do desejo de filhos. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação de Antropologia. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

PANDE, Mariana Nogueira Rangel; AMARANTE, Paulo Duarte de Carvalho (2011). Desafios para os Centros de Atenção Psicossocial como serviços substitutivos: a nova cronicidade em questão. Ciência & Saúde Coletiva 16 (4). pp. 2067-2076.

PERES, Cássia Regina Fernandes Biffe; CALDAS JÚNIOR, AntonioLuiz; SILVA, Roseli Ferreira da; MARIN, Maria José Sanches. (2011). O Agente Comunitário de Saúde frente ao processo de trabalho em equipe: facilidades e dificuldades. Revista da Escola de Enfermagem da USP 45 (4). pp. 905-911.

PITIÁ, Ana Celeste de Araújo; FUREGATO, Antônia Regina Ferreira (2009). O Acompanhamento Terapêutico (AT): dispositivo de atenção psicossocial em saúde mental. Interface – Comunicação, Saúde, Educação 13 (20). pp. 67-77.

RAMOS, DéborahKarollyne Ribeiro.; GUIMARÃES, Jacileide; ENDERS, Bertha Cruz (2011). Análise contextual de reinternações frequentes de portador de transtorno mental. Interface – Comunicação, Saúde, Educação 15 (37). pp. 519-527.

ROSA, Lúcia Cristina dos Santos; LUSTOSA, Amanda Furtado Mascarenhas (2010). Formação profissional do assistente social para atuar na saúde mental: elementos para o debate contemporâneo. Revista Serviço Social & Realidade 19 (2). pp. 203-218.

ROTELLI, Franco; LEONARDIS, Ota de; MAURI, Diana. Desinstitucionalização, uma outra via. In: NICÁCIO, F. (org.). Desinstitucionalização, São Paulo: Hucitec, 2001. pp. 17-59.

SILVA, Giselle de Fátima (2008). Os sentidos subjetivos de adolescentes com câncer. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Curso de Pós-graduação em Psicologia do Centro de Ciências da Vida, Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

TEIXEIRA JR, Sidnei; KANTORSKI, Luciane Prado; OLSCHOWSKY, Agnes (2009). O Centro de Atenção Psicossocial a partir da vivência do portador de transtorno psíquico. Revista Gaúcha de Enfermagem 30 (3). pp. 453-460.

La Revista Guillermo de Ockham brinda un acceso inmediato y abierto a su contenido, basado en el principio de ofrecer al público un acceso gratuito a las investigaciones para brindar un intercambio global de conocimiento.
A menos que se establezca lo contrario, el contenido de esta revista tiene una licencia con Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International (CC BY-NC-ND 4.0) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/

  • Atribución: debe otorgar el crédito correspondiente, proporcionar un enlace a la licencia e indicar si se realizaron cambios. Puede hacerlo de cualquier manera razonable, pero no de ninguna manera que sugiera que el licenciante lo respalda a usted o su uso.
  • No comercial: no puede utilizar el material con fines comerciales.
  • Sin derivados: si remezcla, transforma o construye sobre el material, no puede distribuir el material modificado.
  • Sin restricciones adicionales: no puede aplicar términos legales o medidas tecnológicas que restrinjan legalmente a otros de hacer cualquier cosa que permita la licencia.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.