Higher Education, South-South Cooperation and Brazilian Foreign Policy: Analyzing the Programa Estudante-Convênio de Graduação (PEC-G)

Fernanda Geremias Leal, Mário César Barreto Moraes

Resumen


Higher Education is one of the major sectors in International Cooperation for Development (ICD) within the Brazilian Foreign Policy (BFP). The Undergraduate Student-Agreement Program (PEC-G), institutionalized in the 1960s and aimed at providing students from developing countries with the opportunity to graduate at Brazilian universities, refers to an important initiative in this sector. The article´s objective is to portray PEC-G in the light of Brazilian South-South Cooperation (SSC). For such, it presents a dialog among the Program’s regulation, its current characteristics, the historical patterns of BFP and SSC assumptions. BFP history demonstrate that the Decree which instituted PEC-G has turned out to be a control policy. Despite its rise to a cooperative approach, the excess of conditionings imposed to the participants, added to the giver’s sovereignty in establishing the Program’s agenda, end up distancing PEC-G from the Brazilian official discourse on SSC, raising questions about this discourse. 


Palabras clave


Brazilian Foreign Policy; South-South Cooperation; Higher Education; PEC-G

Texto completo:

PDF

Referencias


Amaral, J. (2013). Atravessando o atlântico: o Programa Estudante Convênio de Graduação e a cooperação educacional brasileira. Brasília: UnB.

Amaral, J & Meneghel, S. (2015). Programa Estudante Convênio de Graduação: apontamentos sobre processos e papel das universidades. In Internacionalização na educação superior: políticas, integração e mobilidade acadêmica, edited by Elisabete Pereira and Márcia Heinzle. 1 ed. Blumenau: Edifurb.

Brasil. (1965). Decreto n.o 55.613, de 20 de janeiro de 1965. < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1950-1969/D55613.htm>. ____. (2013). Decreto n.o 7.948, de 12 de março de 2013. .

Bry, S. H. (2016). The Evolution of South-South Development Cooperation: Guiding Principles and Approaches. European Journal of Development Research, 4, 1-12.

Bizon, A. (2013). Narrando o exame Celpe-Bras e o Convênio PEC-G: a construção de territorialidades em tempo sde internacionalização. Campinas: Unicamp.

Cabral, F. (2015). Os estudantes africanos nas Instituições de Ensino Superior brasileiras: o Programa de Estudante Convênio de Graduação (PEC-G). Porto Alegre: UFRGS.

Chisholm, L. (2009). Introduction: rethoric, realities, and reasons. In South-south cooperation in Education and Development, edited by Linda Chisholm & Gita Steiner-Khamsi. South Africa: HSRC Press.

Có, J. P. (2011). Filhos da independência: etnografando os estudantes Bissau-Guineenses do PEC-G em Fortaleza-CE e Natal-RN. Natal: UFRN.

Djaló, M. (2014). Relações Sul-Sul: a cooperação Brasil-Guiné-Bissau na Educação Superior no período de 1990-2001. Florianópolis: UFSC.

Filgueira, M. (2014). Vozes d’África transatlântica: trajetórias estudantis de Cabo Verde e da Guiné -Bissau PEC-G/UFRN. Lisboa: ULUSOFONA.

Fraundorfer, M. (2013). Fome Zero para o mundo: a difusão global brasileira do Programa Fome Zero. Austral: Revista Brasileira de Estratégia e Relações Internacionais, 2(4), 97-22.

Haas, H. (2007). Turning the tide? why development will not stop migration. Development and Change, 38(5).

Lancaster, C. (2007). Foreign aid: diplomacy, development, domestic politics. Chicago, London: The University of Chicago Press.

Leal, F. & Moraes, M. (2016). Internacionalização do currículo: um olhar crítico fundamentado no pensamento complexo. In Internacionalização do currículo: educação, interculturalidade e cidadania global, edited by Marcelo Luna. 1 ed. Curitiba: Pontes.

Leite, I. (2012). Cooperação sul-sul: conceito, história e marcos interpretativos. Observatório político sul-americano, 7(3).

Mawdsley, E. (2012). From recipients to donors: emerging powers and the changing development landscape. London: Zed Books.

MEC. (2017a). Programa Estudante-convênio de Graduação. .

____. (2017b). PEC-G: comemoração dos 50 anos do programa. Brasília: MEC. 2017. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17024-pec-g-divulgacao-encontro-nacional-nov-2014&Itemid=30192

Milani, C. (2012). Aprendendo com a história: críticas à experiência da cooperação norte-sul e atuais desafios à cooperação Sul-Sul. Cadernos CRH, 25(65), 211-231.

Milani, C; Conceição, F. & M’Bunde, T. (2016). Cooperação sul-sul em Educação e Relações Brasil-Palop. Cadernos CRH, 9, 13-32.

Milani, C. et al. (2015). Atlas da política externa brasileira. 1. ed. Rio de Janeiro: UERJ.

Mignolo, W. (2017). Desafios decoloniais hoje. Epistemologias do Sul, Foz do Iguaçú/PR, 1(1), 12-32.

Morgenthau, H. (1962). A political theory of foreign aid. The American Political Science Review, 56(2), 301-309.

Morosini, M. C. (2011). Internacionalização na produção de conhecimento em IES brasileiras: cooperação internacional tradicional e cooperação internacional horizontal. Educação em Revista, 27(1), 93-112.

MRE. (2017a). Programa de Estudantes-Convênio de Graduação. .

____. (2017b). Manual do Estudante-Convênio. Brasília: MRE. http://www.dce.mre.gov.br/PEC/G/docs/Manual_do_Estudante-Convenio_PT.pdf

____. (2018). Histórico do Programa: Introdução. http://www.dce.mre.gov.br/PEC/G/historico/introducao.php

Muhr, T. (2016). Equity of access to higher education in the context of South-South cooperation in Latin America: a pluri-scalar analysis. Higher Education, 72(4), 557-571.

Muñoz, E. (2016). A Cooperação sul-sul do Brasil com a África. Cadernos CRH, 29(76), 9-12.

Ngomane, Y. (2010). Estudantes moçambicanos em Belo Horizonte: uma discussão sobre a construção identitária e de redes de sociabilidade. São Carlos: UFSCar.

Ogwu, J. (1982). La cooperación Sur-Sur: problemas, posibilidades y perspectivas en una relación emergente. Nueva Sociedad, 60, 557-558.

Okawati, J. (2015). Estudantes africanos na UFSC: (des)encantos extramuros na jornada acadêmica. Florianópolis: UFSC.

Pinheiro, L. (2000). Traídos pelo desejo: um ensaio sobre a teoria e a prática da Política Externa Brasileira contemporânea. Contexto Internacional, 22(2), 305-334.

____. (2004). Política Externa Brasileira. Rio de Janeiro; Zahar.

Pizzinato, A.; et al. (2017). Aspectos étnico-raciais e de gênero na inserção universitária de jovens africanas no Brasil. Revista Brasileira de Educação, 22(70).

Riddell, A. & Niño-Zarazúa, M. (2016). The effectiveess of foreign aid to education: what can be learned? International Journal of Education Development, 48, 23-36.

Salomón, M. & Pinheiro, L. (2013). Análise de política externa e política externa brasileira: trajetória, desafios e possibilidades de um campo de estudos. Revista Brasileira de Politica Internacional, 56(1), 40-59.

Schardong, M. (2012). Cooperação e globalização: o programa Estudante-convênio - Graduação na Política Externa Brasileira do Século 21. Brasília: UnB.

Sen, A. (2000). Development as freedom. New York: Alfred A. Knopf.

Soares de Lima, M. R. (1994). Ejes analíticos y conflicto de paradigmas en la política exterior brasilena. América Latina/Internacional, 1(2), 27-46.

Steiner-Khamsi, G. (2009). A way out from dependency trap in educational development?. In South-south cooperation in Education and Development, edited by Linda Chilsohm and Gita Steiner-Khamsi. South Africa: HSRC Press.

Valença, M. & Carvalho, G. (2014). Soft power, hard aspirations: the shifting role of power in Brazilian foreign policy. Brazilian Political Science Review, 66, 66-94.

Vigevani, T. & Cepaluni, G. (2007). A Política Externa de Lula da Silva: a estratégia da autonomia pela diversificação. Contexto Internacional, 29(2), 273-335.

Visentini, P. F. (1999). O Brasil e o Mundo: a política externa e suas fases. Ensaios FEE 20(1), 134-154.

____. (2010). South-south cooperation, prestige diplomacy or ‘soft imperialism’? Lula’s government Brazil-Africa relations. Século XXI, 1(1), 65-84.

Wallerstein, I. (2006). Impensar a ciência social. São Paulo: Ideias & Letras.




DOI: http://dx.doi.org/10.21500/23825014.3593